Escolha uma opção:

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

O nome do vento - Patrick Rothfuss



Antes de começar a fazer essa postagem sobre o livro que estou lendo nesse momento, gostaria de dizer que o grande culpado por essa leitura é o meu amigo Michael Willian, que é um fãzasso do autor e que teceu comentários tão positivos e inspiradores sobre a obra que eu fui obrigado a conferir. Não posso deixar de dizer também que esse meu talentoso amigo é o criador das últimas três capas da Saga de Kedl, aproveitando aqui publicamente e novamente para agradecê-lo pelo apoio.
Ah, falando em comentários deste meu amigo, nada mais justo que trazê-los aqui, fazendo então uma retrospectiva do que eu senti e o que me acabou levando a leitura, e assim quem sabe outros curiosos, tal eu mesmo, embarquem na mesma viagem literária.

Mas antes, devo retratar um pouco sobre o livro em questão, com a sua sinopse completa, existente na contracapa:

Ninguém sabe ao certo quem é o herói ou o vilão desse fascinante universo criado por Patrick Rothfuss. Na realidade, essas duas figuras se concentram em Kote, um homem enigmático que se esconde sob a identidade de proprietário da hospedaria Marco do Percurso.
Da infância numa trupe de artistas itinerantes, passando pelos anos vividos numa cidade hostil e pelo esforço para ingressar na escola de magia, O nome do vento acompanha a trajetória de Kote e as duas forças que movem sua vida: o desejo de aprender o mistério por trás da arte de nomear as coisas e a necessidade de reunir informações sobre o Chandriano - os lendários demônios que assassinaram sua família no passado.
Quando esses seres do mal reaparecem na cidade, um cronista suspeita de que o misterioso Kote seja o personagem principal de diversas histórias que rondam a região e decide aproximar-se dele para descobrir a verdade. 
Pouco a pouco, a história de Kote vai sendo revelada, assim como sua multifacetada personalidade - notório mago, esmerado ladrão, amante viril, herói salvador, músico magistral, assassino infame. 
Nesta provocante narrativa, o leitor é transportado para um mundo fantástico, repleto de mitos e seres fabulosos, heróis e vilões, ladrões e trovadores, amor e ódio, paixão e vingança. 
Mais do que a trama bem construída e os personagens cativantes, o que torna O nome do vento uma obra tão especial - que levou Patrick Rothfuss ao topo da lista de mais vendidos do The New York Times - é sua capacidade de encantar leitores de todas as idades.
Agora vamos ao comentários que me levaram a embarcar nessa história, que possui uma continuação já escrita (O temor do sábio) e a terceira em andamento (The doors of stone):

A primeira vez que ele tocou no livro, falávamos sobre um trabalho que o Michael está escrevendo e teci o seguinte argumento:

JG: Hum já estou achando interessante!
Gosto de contos que versam sobre temas que fogem da realidade, ao mesmo tempo que parecem normais...
Você verá isso na Saga. A minha ideia é que a magia venha aparecendo gradativamente e de que ela exista no cotidiano das pessoas. 

MW: Isso é interessante. Parece com O Nome do Vento, onde a magia é mais uma lenda do que verdade, mas existe.

Na segunda vez que tocou no assunto, falávamos sobre One Piece e aí a conversa foi longa:

MW: Acho que a única obra na qual tou tão viciado quanto é A Cronica do Matador de Rei.

JG: Cara, não vi essa, tenho até medo de pesquisar e gostar e não poder ver, por falta de tempo... 

MV: Então... só te aviso hahahaha não pesquise, porque o negócio vicia, o livro vai até ganhar serie, filme e jogo.
Comentário do criador de Game of the Thrones:
"Devorei em apenas um dia. Esse tal de Rothfuss é muito bom. Ansioso pelo próximo"
O livro tem 600 páginas...

JG: Puts grilo!
Eu já li os 5 primeiros do GoT e são bons, muitos bons, tirando a apelação sexual que nem precisava estar lá...
Será que um dia faremos uma obra dessa grandiosidade?

MW: hahahahahaha creio que sim... quem sabe?
Aliás... só pra ressaltar foi esse livro que me levou ao mundo da escrita.

JG: Tem que viver num mundo totalmente pirado para ter uma imaginação dessas... Vou ver...

Aqui foi o golpe de mestre do Michael para me levar de fato a ler o livro:

MW: Se quiser posso lhe mandar um vídeo para aumentar teu hype...
Mais aí vai de tu...

JG: Manda...

MW: Apesar de eu não curtir estes canais no YT... acho que ela expressa bem...

É claro que preciso deixar o vídeo para que os amigos vejam, mas fiquem tranquilos, não tem spoilers, tirando uma ou outra palavra mais forte da blogueira, no calor do momento:



Teci nove comentários enquanto assistia ao vídeo:

JG: Primeiro comentário: o cara que escreveu é pirado!

Vocês também achariam, vejam uma imagem do escritor:


Na verdade é uma brincadeira, não podemos "julgar um livro pela capa" e não é que essa expressão se encaixa muito bem nessa postagem! :)

JG: Segundo comentário: descobri por que você gostou do livro, o personagem principal é músico!  \o/

MW: Exatamente!

Tinha esquecido de comentar que o Michael, além de designer, aspirante quem nem eu a escritor, gamer que nem eu hehe, ele também toca, ao contrário de mim que "espanto"! :)

JG: Terceiro comentário: o cara é bom, a lá Tolkien, criou 5 linguagens e utiliza 3 no livro. além de pirado é brilhante! Gostei dele! :)

MW: Sim!

JG: Quarto comentário: creio que o escritor é detalhista ao extremo, pois a blogueira disse ter até conseguido escutar sons que seriam oriundos do livro. soberbo isso!
Quinto comentário: o cara é o rei das charadas, faz você ter certeza que pode deduzir a continuação da história depois puxa o seu tapete e manda o enredo para o outro lado, te colocando no vácuo... :)
Sexto comentário: ela tocou num aspecto importantíssimo para nós que escrevemos: quando a gente lê algo bom, mas bom demais da conta sô, ao entrarmos de cabeça em outro livro, podemos ficar completamente decepcionados, por mais qualidade que ele tenha!

MV: Exatamente... tava sofrendo com isso.. umas três semanas atrás, agora já me recuperei.

JG: Exato, cada obra tem o seu valor, esse é o primeiro passo para o estrelato!
Sétimo comentário: ela nem bem terminou de ler, já quer reler! Isso é algo fora de série, conseguir essa magia, com tanto material para ser lido hoje em dia!

MV: O ponto que se tem que colocar no livro... é algo que pode te avacalhar mas logo passa. É a suprema-gigante diferença de imersão das narrativas...
A narrativa do presente... e quando ele tá falando do passado dele
Ele começa a contar o passado dele... tu não para de ler mais não...

Hoje lendo o livro, no capítulo 69, página 459, sou obrigado a concordar que o Michael tinha e tem razão...

JG: Gosto muito disso, quando algo lhe obriga a pensar!
Oitavo comentário: a blogueira se apaixonou pelo personagem principal do livro e tem ciúmes de uma tal de Atena! :)

MW: KKKKKKKK a Denna!

Esse meu erro, que não foi proposital, se mostrou uma premonição, mas só vai entender que ler o livro...

JG: Isso!
Nono comentário: as capas têm a vida do enredo!

Depois disso, para fechar com chave de ouro, meu amigo Michael me mandou o link com o tema musical do livro, feito por um fã:



É isso meus amigos, só posso encerrar dizendo para vocês o seguinte: leiam!

Abraços renovados!

2 comentários:

  1. Prezado amigo JGCosta, sua postagem me deixou tão entusiasmado com o citado autor, que me inspirou em publicar uma biografia do mesmo em meu blog: O Néctar das Artes.
    Grato e grande abraço do amigo Wilson Kocis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como vai meu amigo! Fico feliz em lhe inspirar, irei conhecer seu trabalho. Grande abraço renovado!

      Excluir

Agradecido por comentar!
Abraços renovados do amigo JoeFather!