Escolha uma opção:

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Stella Awards e os absurdos jurídicos







Clique na imagem para ver de onde ela veio!


1994 Albuquerque (Estados Unidos) Vitória da reclamante.

O mais lendário dos julgamentos absurdos é caso de Stella Liebeck, uma americana de 79 anos que processou o McDonald’s depois de se machucar com o café comprado num drive-thru da rede, em Albuquerque. A vovó tinha colocado o copo de café entre as pernas para pôr açúcar quando o copo virou em seu colo e ela se queimou. A princípio, o júri tinha concedido 200 mil dólares de indenização, mas retirou 20% do valor por considerar que Stella também teve culpa pelo acidente. No fim das contas, a mulher recebeu a bolada de 160 mil dólares. Além disso, o McDonald’s também foi multado em mais 480 mil dólares por servir ao público um café tão quente.
O caso teve tanta repercussão que deu origem ao prêmio Stella Awards, que anualmente elege os julgamentos mais absurdos que rolaram nos Estados Unidos. O ranking é organizado pelo humorista Randy Cassingham, que escreve em diversos jornais americanos uma coluna com histórias bizarras de todo o mundo.


========================================================

Essa história acima é real, mas muitas outras fictícias foram geradas a partir dessa e estão espalhadas pela Internet. Um exemplo disso pode ser visto AQUI e serve ao menos para dar umas risadas.
A confirmação do que eu citei você pode conferir clicando AQUI, no site oficial Stella Awards. Como pretendo colocar aqui absurdos jurídicos reais,  coletei no site acima os vencedores listados em alguns anos específicos, que são casos de nos deixar de boca aberta, tamanha foi a ousadia das "vítimas".
Clicando nas imagens, você terá acesso às suas fontes.


2002


As irmãs Janice Bird, Dayle Pássaro Edgmon e Kim Pássaro Moran processaram os médicos de sua mãe e um hospital depois de Janice, que acompanhava sua mãe, Nita Bird, a um procedimento médico menor. Quando algo deu errado, Janice e Dayle testemunharam médicos apressando a sua mãe para uma cirurgia de emergência. Ao invés de negligência, a sua luta jurídica centrada na "imposição negligente de perturbação emocional" - não por causar sofrimento à sua mãe, mas por causar sofrimento a eles por ter de ver os médicos correrem para ajudar a sua mãe. O caso foi travado todo o caminho até a Suprema Corte da Califórnia, que finalmente decidiu contra as mulheres. Que é uma coisa boa, uma vez que se houvesse prevalecido médicos e hospitais não teriam escolha a não ser mantê-lo em qualquer lugar perto de seus membros de sua família durante procedimentos médicos, apenas no caso de algo dar errado. Em sua ganância, as irmãs Bird arriscaram um direito de todos ter os membros da família com eles em situações de emergência.

2003


A cidade de Madera, Califórnia. A policial Marcy Noriega tinha o suspeito de um distúrbio menor algemado na parte de trás do carro patrulha. Quando o suspeito começou a chutar nas janelas do carro, a oficial Noriega decidiu submetê-lo com uma arma de choque. Incrivelmente, em vez de puxar a sua arma de choque de seu cinto, ela puxou a arma de serviço e disparou contra o homem no peito, matando-o instantaneamente. A defensoria da cidade de Madera, no entanto, disse que a morte não foi culpa do policial, ela argumentou que "qualquer policial razoável" poderia se enganar e disparar uma arma em vez do dispositivo de choque e entrou com ação contra a fabricante da arma de choque Taser, argumentando que a empresa deve pagar qualquer prêmio do processo de morte por negligência que a família do falecido requeresse. O que foi um insulto contra qualquer policial com formação profissional que conhece a diferença entre uma arma de verdade e uma arma de choque! E também uma tentativa covarde de escapar da responsabilidade pelas ações de seu agente sob treinamento próprio.

2004


Maria Ubaudi de Madison County, Illinois. Maria Ubaudi era uma passageira num carro que entrou num naufrágio. Ela colocou a maior parte da culpa no mais profundo dos bolsos disponíveis: Mazda Motors, que fabricou o carro que ela estava andando, solicitando "150.000 dólares" da montadora, afirmando que a mesma "não forneceu instruções sobre o uso seguro e adequado do cinto de segurança.” Os advogados da Mazda provaram no tribunal que ela nunca antes tinha usado um cinto de segurança, nunca voou em um avião, e que ela era demasiada estúpida para descobrir como prender o cinto de segurança.

2005


Christopher Roller de Burnsville, Minnesota. Roller alega que foi mistificado por dois mágicos profissionais, David Blaine e David Copperfield, os quais processou para exigir que revelassem seus segredos a ele ou então pagassem-lhe 10 por cento de seus ganhos ao longo da vida, que ele calculou em 50 milhões de dólares de Copperfield e 2 milhões de dólares de Blaine. A base para sua ação: para ele os magos desafiavam as leis da física, e, portanto, deviam estar usando "poderes divinos" e desde que Roller é Deus (segundo ele), eles estão "de alguma forma" roubando o poder dele.

2006


Ray Allen Heckard. Mesmo que Heckard seja 3 centímetros mais baixo, 25 quilos mais leve, e 8 anos mais velho que o ex-astro do basquete Michael Jordan, de Portland, Oregon, o homem diz que ele se parece muito com a Jordan e é muitas vezes confundido com ele e, portanto, ele merece 52 milhões de dólares "por difamação e danos permanentes" além de 364 milhões de dólares em "danos punitivos para a dor emocional e sofrimento", além de a mesma quantidade do co-fundador da Nike, Phil Knight, subindo o valor para um total de 832 milhões de dólares. Ele desistiu do processo depois que os advogados da Nike o pressionaram alegando que ele também seria processado nos mesmos termos.

2007


Roy L. Pearson Jr, 57 anos, Juiz de Direito Administrativo em Washington DC, afirmava que em uma limpeza a seco perdeu um par de calças, então ele processou a empresa responsável em 65.462.500 dólares. Isso mesmo: mais de 65 milhões de dólares para um par de calças. Representando a si mesmo, o juiz Pearson chorou no tribunal sobre a perda de suas calças, lamentando-se que não há certamente um caso mais convincente no Arquivo Distrital. Mas o juiz da Corte Superior não se comoveu: ele chamou o caso de "litigância temerária", repreendeu o juiz Pearson por sua "má fé", e concedeu indenização a limpeza a seco. Mas Pearson não aceitou um não como resposta: ele acabou apelando da decisão. E ele tem tempo de sobra em suas mãos, já que ele foi demitido de seu emprego. Seu apelo ainda está pendente.

=======================================

Não me culpem, eu até que fui legal e só coloquei os primeiros colocados! :)

Se tiverem que processar alguém, o nome é Adilson, o qual me deu a dica para o tema de pesquisa! :)

Abraços renovados!


11 comentários:

  1. Eu não sei se rio ou se fico indignada! Tem cada um nesse mundo com cada ideia depravada, meldels... kkk

    ResponderExcluir
  2. Pois é amigo, não sei se choro ou se rio!
    Pelo menos a fotinho da moça do cinto de segurança levanta o ânimo! rsrsrsrs.

    Grande abraço, saúde e paz!


    =D



    .

    ResponderExcluir
  3. Meu amigo é bem verdade temos que rir para não chorar.
    Está tudo louco por aí e por cá também.

    beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Hahahahahhahahahahhahahahahhaa Joe, mas tem cada uma aí hein! O povo tá atirando pra tudo que é lado, hahahahahahahhahahahahahahha.

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Muito interessante esses casos.A gente vê cada coisa rssssssss ou melhor lê rssssss
    Grande abraço
    se cuida

    ResponderExcluir
  6. Que pena que esta sabia colocar o cinto de segurança. hahahhah

    ResponderExcluir
  7. É gente, tive que alterar o marcador para humor, pois pensando bem, é nessa categoria que se enquadra! :)

    Grato pelos comentários! Abraços!

    ResponderExcluir
  8. É...aqui no Brasil se fizermos isso tá arriscadoo feitiço virar contra o feiticeiro...rs...super interessante as brechas que a justiça tem e a cara de pau de alguns no intuito de tirar o corpo fora...rsrs...boa amigo...
    Um abraço na alma...bom domingo

    ResponderExcluir
  9. Acho que vou passar a tomar café no M'Donalds!...rss...vale processar se o café for horrivel,feito uma água quente?...rss...adorei sua ideia!bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
  10. Para rir neste final de tarde, abraço Lisette.

    ResponderExcluir

Agradecido por comentar!
Abraços renovados do amigo JoeFather!