Escolha uma opção:

quarta-feira, 28 de março de 2012

É possível acabar com a corrupção? (uma nova visão)

Nota do autor: essa não é uma continuação da crônica anterior, que pode ser lida clicando AQUI, é, como citado no título, uma nova visão, de caráter um pouco menos místico.
Algo que me veio a mente antes de escrever esse texto e que foi confirmado depois, foram dois pontos muitos específicos, os quais achei interessantes como base:
  • Dizem que o Governo teima em não investir na educação, pois assim é mais fácil governar...
  • Precisamos exigir mais de quem vota ou de quem é votado? O que é mais fácil?


Clique na imagem para ver de onde ela veio!



Tive o prazer de, vagarosamente, ler um dos melhores livros que foram escritos pelo, a meu ver, pensador Stephen King, este em especial em 1978 e reeditado em 1990, onde a população mundial é quase totalmente dizimada por uma supergripe. No enredo desse livro intitulado A Dança da Morte, como consta da sua sinopse, os sobreviventes se dividem em dois grupos, um comandado pelo "bem" e o outro pelo "mal", e, o mais importante, um grupo querendo se sobressair sobre o outro, visando à sobrevivência da espécie agregada aos seus valores. 
Achei interessante citar essa introdução, que vai de encontro a um pensamento meu, que tenho certeza não ser exclusividade, onde associo a criação de um mundo melhor quando conseguirmos retirar da essência da humanidade tudo aquilo que a pudesse corromper, mas penso que para isso somente se iniciássemos novamente do zero, podando a árvore na raiz, e assim conseguiríamos tal feito.
Comparando essa minha ideia com o roteiro do livro de King e com os mais variados exemplos conhecidos, tal várias passagens da própria Bíblia, é um planejamento que já nasce com um grande risco de não dar certo, pois o pensamento humano sempre vai diferir um do outro e a balança do que é bom ou mal sempre acabará por pender ou ser definida de forma diferente, aos olhos de cada um. 
Creio que ficou claro o pano de fundo para essa minha reflexão, que em resumo nada mais significa, em minha opinião, é claro, que independentemente de outro dilúvio ou não, enquanto houver vidas existirão conceitos, dogmas, ideologias, e assim vai. Compreendo que o que é correto para mim é incorreto para outro e assim por diante. Então, outra fórmula mágica necessita ser criada, para que os valores aplicados sejam diferenciados e consequentemente o resultado se torne mais satisfatório para a grande maioria que ainda acredita numa sociedade mais justa.
Antes de seguir em frente, um novo ponto de vista acredito que deva ser acrescentando, só para complicarmos um pouco mais nosso meio de campo: alguém já tentou pegar algo que já estava em funcionamento e tentou readequá-lo para que surtisse um efeito mais satisfatório? É muito difícil, não é mesmo? Esse sistema que deverá ser alterado já tem seus próprios vícios e engrenagens intercambiáveis e fará de tudo para que as mudanças não ocorram, não por maldade, mas por que ele já tem suas próprias regras e as alterações vão gerando erros no final, em forma de mensagens críticas, se estivermos falando de um programa, por exemplo, ou através de conflitos intelectuais, se estivermos falando de uma sociedade constituída.
Pois bem, compreendido até aqui, agora podemos mudar o foco, tal o tema desse texto, que deve ser respeitado. 
A corrupção do título dessa nova visão é explicitamente relativa à política, deixemos de lado nossos receios de tratar de um tema que está inserido dentro de nossos lares até a mais profunda raiz e que interfere diretamente na nossa vida, notoriamente na maioria das vezes para pior. Ainda mais porque estamos às vésperas de uma nova eleição e não dá mais para ficar pensando em "fazer a nossa parte" enquanto existe outra corrente que literalmente faz a sua parte em benefício próprio.
Deixar de votar, de escolher seus representantes, por mais que lhe pareça que estará trocando seis por meia dúzia, não fará com que algum tipo de mudança, por menor que seja, inicie-se. Então o que pode fazer a diferença na hora de votar? A melhor escolha! Ou se preferir: a "menos pior" escolha! Mas pensando bem, você votaria em alguém que desviou menos que outro, só para dizer que ao menos fez uma escolha, que exerceu seu papel de cidadão? Olha eu não! De jeito nenhum! Quem representa os meus interesses políticos tem que ser alguém em que eu possa confiar, não é mesmo?
Bom, supondo que você compartilha comigo dessa mesma opinião, ótimo, antes de votar nós vamos pesquisar bastante, ver toda a vida pregressa do nosso possível candidato e fazer sim aquela escolha que entendemos ser a melhor. Agora sim exercemos nosso dever de cidadania de uma forma que dormiremos bem à noite. Conseguiremos então chegar a algum lugar somente com essa atitude? Não!
De que adianta você fazer a sua parte se o seu vizinho, por exemplo, não o faz? Então você tem que convencê-lo de que ele também precisa, necessita exercer a cidadania, de uma forma clara e transparente. Certo! Digamos que você conseguiu convencer outras pessoas a agir de uma forma democrática, que por si só contaminaram outras pessoas, todas seguindo um mesmo conceito, buscando filtrar as escolhas e tal, dessa forma resolveu o problema no seu bairro, depois no seu município. 
Para isso você se utilizou de todos os tipos de tecnologia ao alcance, Facebook, blogs, Twitter, etc., e causou uma revolução na sua cidade. Agora sim, estamos chegando a algum ponto? Não!
De que adianta a sua cidade ser bem representada se a sua região metropolitana, por exemplo, ainda está capengando?
Bom, você pode me dizer que agora está mais fácil, que agora é só levar os mecanismos que surtiram efeito em seu município para os da sua região e vai correr tudo bem. E as outras cidades mais afastadas? E os outros estados? Aqueles onde as pessoas não têm tanto acesso à tecnologia como você e muitas vezes, por mais incrível que pareça, nem um aparelho de TV? Como é que vai chegar nessas pessoas?
Será que esses patriotas filhos da mesma nação vão conseguir, mesmo que lhes seja passado, que a melhor maneira de votar é escolher corretamente seu candidato, baseando-se em regras de conduta, passado idôneo, etc.? Será que esses patriotas que não conseguem nem ao menos fazer, por mais incrível que pareça, um ginásio, vão conseguir entender que você está tentando convencê-los de algo positivo e não simplesmente tentando "fazer a cabeça deles" contra todo um sistema?
Então o que deve ser feito para que efetivamente a qualidade daqueles que votam seja elevada?
Muitos podem dizer que é só tornar o voto facultativo e assim já estaremos progredindo. Outros poderão dizer que o voto deve ser dado somente por pessoas com alto conhecimento político e que participam ativamente de reuniões ou ainda fazem parte de um partido ativamente e não para somar números. Podem até ser algumas soluções, mas democracia, depois de perdida fica difícil de ser retomada. Quem pode discordar disso?
Mas sim, podemos filtrar os eleitores, assim como filtramos quem dirige um veículo, que não adianta ter apenas idade, mas sem dúvida precisa estar preparado. Como faríamos isso? Uma alternativa seria exigir escolaridade mínima, 2º grau por exemplo. Automaticamente os elegidos também teriam que passar pelo mesmo crivo de escolaridade mínima. Para aqueles que forem comentar sobre a inconstitucionalidade dessa medida, lembro os amigos que não estamos falando aqui de ceifar direitos e sim de mudar algumas regras.
Também não estou com esse pensamento querendo de alguma forma diminuir ou humilhar a pessoa que possui um menor estudo, e sim o incentivando a estudar mais para poder escolher seus representantes. Tínhamos em 2010, segundo o IBGE, 10% da população brasileira ainda composta por analfabetos, mais de 14 milhões de brasileiros.
Resolveria o problema da corrupção? Também não! Além da exigência de uma escolaridade, matérias sérias e não somente para compor o currículo seriam necessárias, com aprofundamento nas falhas que houverem ou, pensando positivo, deixaram de existir, para a concepção do caos de estado aparentemente democrático, mas que favorece claramente a somente uma nata da sociedade, enquanto os demais literalmente "correm atrás do prejuízo".
Quero ver outras opiniões sobre o assunto. Quais outras medidas podiam ser adotadas para podermos iniciar uma reviravolta no quadro atual?
Abraços renovados para todos.

6 comentários:

  1. JG, bom dia.
    Segui sua linha de raciocínio, gostei de sua tentativa de ser didático, de sua luta por ser democrático. Penso que os pensamentos são variadíssimos e que as vezes as diferenças são sutilíssimas e q o jogo democrátivo tem q ser sempre muito amplo. Eu não tenho diplomas assim como muitas pessoas e defendo q qualquer regra q estabelecesse limitações pelo sistema de esnsino do sistema, seria antidemocrático: não existem regras! Assim como o universo(q está em expanção), devemos expandir nossas possibilidades de participação no "jogo"de viver e não fecha-lo. Só a boa vontade pode salvar. Grau de instrução(nem se tem como medi-lo) não conseguiria nos fazer mais aptos para qualquer transformação.
    Abraço e parabéns!
    Berzé

    ResponderExcluir
  2. Olá, JG... tenho e muito minhas dúvidas na UNIÃO do POVO para seu próprio bem... Moro em condomínio, e a situação política de moradia é terrível. Isso só para comparar com sua brilhante proposta. Se não conseguimos socializar ideias e ações em um pequeno povoado condominial, imagino num país de imensas proporções continentais! Mas, claro vale a tentativa para construirmos dias melhores! Agora a MELHOR PIADA do século vi na mídia ainda nessa semana: - "medirão a felicidade interna humana"... PODE? Não vi nada mais demagógico que isso em plena época eleitoreira... Ergo minha bandeira: "ABAIXO CAÇA AOS VOTOS"... BRASIL, apesar de começar com B... não é um BBB, certo?
    Parabenizo-o pelo post!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. Berze, também tenho isso comigo, não dá para medir a instrução. Essa ideia que passo é somente uma filtragem dos eleitores, uma exigência a mais.

    Abraços renovados para todos.

    ResponderExcluir
  4. Joe,que texto,menino!Pra pensar!Quando li o titulo achei que nem com reza brava conseguimos mudar as coisas na politica desse pais,mas eu ainda acredito na solução da educação do nosso povo em geral.Se as pessoas estiverem mais esclarecidas,não jogarão seu voto fora,vão pensar, analisar se existe alguem bom,ficha limpa,etc...Outra maneira seria diminuir o numero de congressistas.Pra que tanta gente pra fazer nada? E fazer como na Suecia que o politico mora num apartamento pequeno,sem mordomias, tem que arrumar sua casa sozinho,lavar sua roupa e ganha um salario honesto,não exorbitante alem de não poder ter secretaria ou assessor.Seria legal se aqui fosse assim!bjs e parabens pela postagem!

    ResponderExcluir
  5. Este pais so muda quando investor em educacao, abraco Lisette.

    ResponderExcluir
  6. Bom dia, Joel! Brilhante texto, idéias muito bem expostas. A corrupção política tem um fio, que passa dentro de cada um de nós, e se alimenta da nossa própria corrupção. Se quisermos erradicá-la, teremos que nos aperfeiçoar como seres humanos, cada vez mais. Por isso, não sei se é possível que a corrupção um dia deixe de existir...porque não é nada fácil ver dentro de nós mesmos, aquilo que acusamos nos políticos que elegemos. Quanto a mim, sendo ou não um ato de cidadania, há muito tenho anulado meu voto.

    ResponderExcluir

Agradecido por comentar!
Abraços renovados do amigo JoeFather!